Minha melhor derrota.

Tem momentos que chego a pensar se devo desistir ou continuar. Me pergunto se isso irá me fazer bem ou mal, onde vou parar, o que vai ser das pessoas que amo. São tantas as perguntas e indecisões que os momentos que poderiam ser perfeitos viram confusões. Um turbilhão de coisas vem na minha cabeça, cenas antigas me fazem pensar, sentir e sorrir. O mundo vira de cabeça pra baixo, do avesso, desmonta, por um momento o que era claro me cega, tudo fica escuro, oculto, mudo e a única vontade é de ficar sozinha, escutar uma música e olhar pro nada. Parece familiar né?!

Então. Eu sou assim, me permito, não desisto fácil, mas desanimo, qualquer coisa de ruim mexe comigo. Ser intensa tem um preço, o de sentir demais. Confesso que sou trouxa de mim mesma por ser assim. E olha que mudei muito, eu era pior, não tinha boca pra nada, abaixava a cabeça e ficava ali, muda. Acreditava nas piores mentiras e chorava escondida. Apesar de levar o meu 'brava' como herança, ainda carrego o meu coração mole de quando eu era criança.

Mas tudo bem, a vida segue, as pessoas chegam, outras vão. E eu permaneço em mim e com essa interrogação, até que o tempo me esclareça. Tem dias que eu sou forte, outros nem um pouco. Tem dias que sou boba, outros dias sou mais quieta. Não gosto de incomodar e ser incomodada, tenho meus momentos de silêncios profundos e outros momentos de barulhos perturbantes. Falo coisas da boca pra fora e me arrependo em segundos. Prometo pra mim mesma que não vou mais falar, que não vou mais fazer, que vou mudar, mas eu fracasso logo depois. E quer saber?! Ser eu mesma continua sendo a minha melhor derrota.

Maíra Cintra

13 comentários:

Alline disse...

Lindooo !!!!
Eu consegui sentir *--*

Tally disse...

Lindo me identifiquei bastante come sse texto.

Júnior Shin. disse...

Ser intenso tem preço e, diga-se, muito caro...

Sua melhor derrota ao tempo em que é uma virtude natural sua. E quando sentir necessidade de mudar, faça-o por você, sempre por você... Esse ainda é o motivo que vale apena...

Há tempos eu não vinha aqui, mas o cantinho continua agradável como da primeira vez que, por ventura, encontrei o blog.

Ariana disse...

" Ser intensa tem um preço, o de sentir demais. Confesso que sou trouxa de mim mesma por ser assim."

Caraca flor, chorei aqui. Não sei se é porque estou em plena tpm ou porque sou sensível ao extremo mesmo. A a minha intensidade tem me incomodado e atrapalhado um bobado.
E essa interrogação as vezes me perturba demais , torço logo pra que vire exclamação.
Mas como tu mesma disse, a vida segue.

Beijos

AquilesMarchel disse...

Vão se os calos, fica a maturidade, ninguém cresce sem se machucar um pouquinho

Niemi


Sol disse...

Isso me é bem familiar mesmo!

=*

Leeticia disse...

Olá, gostei bastante dos teus textos, muito legal esse!
Publiquei um pensamento seu no face e pus os créditos...
Também posto coisas assim no meu blog, espero que me visite!
Beijos
Neversaynever-believe. blogspot.com.br

Blog Poesírios disse...

Gostei muito dos seus pensamentos!

Anônimo disse...

Alguém copiou seu texto. Dá uma olhadinha nisso: http://www.facebook.com/paulinha.cavalcante

allison disse...

kd esse livro q não saiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii ?

Anônimo disse...

me identifico d+ com estes textos!! seria um sonho um livros com todos eles

sergio disse...

Tem momentos que chego a pensar se devo desistir ou continuar. Me pergunto se isso irá me fazer bem ou mal, onde vou parar, o que vai ser das pessoas que amo. São tantas as perguntas e indecisões que os momentos que poderiam ser perfeitos viram confusões. Um turbilhão de coisas vem na minha cabeça, cenas antigas me fazem pensar, sentir e chorar. O mundo vira de
cabeça pra baixo, do avesso, desmonta, por um momento o que era claro me cega, tudo fica escuro, oculto, mudo e a única vontade é de ouvir a pessoa amada. O AMOR TUDO PODE, TUDO SUPORTA, O AMOR É O MAIOR DE TODOS OS DONS. . .

Anônimo disse...

Tem momentos que chego a pensar se
devo desistir ou continuar. Me pergunto se
isso irá me fazer bem ou mal, onde vou
parar, o que vai ser das pessoas que amo.
São tantas as perguntas e indecisões que
os momentos que poderiam ser perfeitos
viram confusões. Um turbilhão de coisas
vem na minha cabeça, cenas antigas me
fazem pensar, sentir e sorrir. O mundo vira
de cabeça pra baixo, do avesso, desmonta,
por um momento o que era claro me cega,
tudo fica escuro, oculto, mudo e a única
vontade é de ficar sozinho, escutar um reggae e olhar pro nada.
Então. Eu sou assim, me permito, não
desisto fácil, mas desanimo, qualquer coisa
de ruim mexe comigo. Ser intenso tem um
preço, o de sentir demais. Confesso que sou
trouxa de mim mesma por ser assim. E olha
que mudei muito, eu era pior, não tinha
boca pra nada, abaixava a cabeça e ficava
ali, mudo. Acreditava nas piores mentiras e
chorava escondido. Apesar de levar o meu
'bravo' como herança, ainda carrego o meu
coração mole de quando eu era criança.
Mas tudo bem, a vida segue, as pessoas
chegam, outras vão. E eu permaneço em
mim e com essa interrogação, até que o
tempo me esclareça. Tem dias que eu sou
forte, outros nem um pouco. Tem dias que
sou bobo, outros dias sou mais quieto. Não
gosto de incomodar e de ser incomodado,
tenho meus momentos de silêncios
profundos e outros momentos de
barulhos perturbantes. Falo coisas da boca
pra fora e me arrependo em segundos.
Prometo pra mim mesmo que não vou mais
falar, que não vou mais fazer, que vou
mudar, mas logo depois vejo que se eu mudar não sei se mudarei para melhor. E quer
saber?! Ser eu mesmo. Continua sendo a
minha melhor opinião.